Como Cortar Chargebacks Relacionados À Fraudes No E-Commerce De Luxo

\"como

Os chargebacks relacionados a fraude são uma fração desagradável da rotina diária das lojas virtuais. Antes de aprofundar o tópico, é essencial esclarecer que a fraude acontece quando uma transação é realizada erroneamente ou com intenção criminosa, sem consentimento do dono do cartão. Já o chargeback referente a fraude se apresenta quando o real dono do cartão contata o teu banco e declara que certa transação foi realizada sem tua autorização, requisitando o estorno dos valores referentes à falsa transação. Apesar de os chargebacks não poderem ser inteiramente eliminados no tempo em que as fraudes existirem, estes conseguem ser controlados com mínimo encontro no faturamento das empresas se as transações relacionadas à fraudes forem reduzidas.


No caso dos E-commerces de luxo, os chargebacks são um desafio ainda maior, uma vez que há o grande valor dos produtos e a reputação da marca. Nesses casos, os chargebacks não só podem levar à perda de um item no qual materiais e mão-de-obra caros foram investidos, assim como também causar sérios danos de imagem. Em média, cerca de um por cento das transações anuais são fraudulentas.


Geograficamente, a Europa e a América do Norte são as regiões mais suscetíveis a chargebacks. Cerca de 25% do total de rejeições para os varejistas de luxo foram recebidos dos Estados unidos, no tempo em que em torno de 15% deles são originários da França e do Reino Unido. Pela sequência, encontramos Alemanha e Itália, com mais ou menos 6% do restante. Na Europa, 97 por cento dos chargebacks são, em geral, de baixo valor, no entanto os de maior preço tendem a passar-se na França, Alemanha e Suécia.


Na América do Norte, a porcentagem de chargebacks de grande valor está aumentando e é doze por cento maior do que na Europa. Pra prevenir chargebacks fraudulentos, um E-commerce podes em tão alto grau ter um sistema antifraude respectivo, como utilizar os serviços de precaução de fornecedores. A ferramenta escolhida necessita socorrer a minimizar cada perda de receita devido à fraude (diminuição dos falsos negativos), diferenciar e preservar seus compradores autênticos (apagar falsos positivos), bem como ser qualificado de distinguir as últimas tendências de defraudação. A maioria das soluções disponíveis no mercado hoje dá certo com apoio numa combinação de triagem automática e manual.


A triagem automática é o machine learning, que analisa e interrompe as transações suspeitas após descobrir comportamentos incomuns para os padrões do comprador da loja. Um exemplo utilizado na atualidade por milhares de lojas virtuais é a solução Fraud Free Product, da Fraugster, que visa cortar a fraude e auxiliar o acrescento das taxas de conversão e a diminuição dos custos operacionais das lojas virtuais. Por outro lado, a triagem manual é uma investigação mais aprofundada, pois requer mais conhecimentos a respeito do cliente pra auxiliar a diferençar entre compradores autênticos e fraudadores. As lojas virtuais de luxo avaliam cerca de 20 por cento de tuas transações seguindo este recurso - a porcentagem varia conforme o valor e a origem da compra.


Para os varejistas que trabalham na área de luxo, pausar as transações pra fazer a revisão manual é uma bacana prática contra chargebacks fraudulentos, uma vez que permite detectar comportamentos anormais e cancelar transações suspeitas antes do envio dos produtos. Mas, apesar de ser potencialmente muito eficaz quando gerenciada acertadamente, a revisão manual assim como fornece desvantagens, como possíveis conflitos com a política de entrega rápida de um E-commerce e os recursos associados a ele. Um modelo são os custos trabalhistas e operacionais.



  1. Bater em retirada não. Vão ter certeza de que é culpado - responderá Lorena

  2. Seja a amiga que adoraria de ter

  3. cinco# Vídeo Aula de Desenho Realista com Lápis de Cor com Cleison Magalhães

  4. Design é um procedimento muito criativo



Dessa forma, passar uma abordagem seletiva baseada em tendências de fraude e boas práticas podes ser fundamental para gerenciar com sucesso o modo de revisão manual. CVV - é uma verificação que identifica se o cliente tem ou não o cartão de crédito em sua posse no momento da compra.


Possibilita filtrar as tentativas de fraude mais comuns, mas a toda a hora deve ser combinado com ferramentas mais sofisticadas. Autenticação 3D Secure - apresenta uma maneira de reconhecer o consumidor com maior exatidão. Este podes socorrer o lojista a cortar os custos relacionados aos chargebacks fraudulentos, uma vez que a responsabilidade de um chargeback qualificado é transferida pro banco emissor do cartão. AVS - é uma ferramenta de verificação que combina o endereço fornecido pelo consumidor no checkout, com o endereço do banco emissor do titular do cartão.


É altamente recomendável utilizar esse instrumento combinado com outra ferramenta de fraude por causa uma alta promessa de correspondência incorreta. Outro mecanismo sério de autenticação dos usuários são os Mecanismos de Impressão Digital, tecnologia que recolhe entradas de traço do mecanismo e são capazes de ser usadas para distinguir total ou parcialmente usuários e dispositivos individuais. Para concluir, a gestão de precaução de fraude mais competente difere de acordo com as necessidades específicas do comerciante. Todo E-commerce deve adotar uma solução que se ajuste ao seu modelo de negócios e perfil de traço. E o fornecedor de pagamento necessita ter prevenção interna de fraude e experiência para aconselhar a respeito quais métodos funcionam melhor.